Kombo Candidato

Não só de competências técnicas vive o profissional

Nunca se estudou tanto e houve tamanha preocupação em investir na carreira como hoje. Seja estágio ou emprego formal, as empresas exigem cada vez competências técnicas de seus profissionais e aspirantes às vagas. Atualmente, os profissionais têm que estar atentos a tudo que acontece no mundo e às inovações no mercado para poderem competir com os demais candidatos. Mesmo com tudo isso, o Brasil não está entre os países mais competitivos no mercado internacional, mesmo quando comparado às nações menos desenvolvidas. A diferença está ainda no pouco conhecimento em línguas estrangeiras, sendo o inglês o principal e mais solicitado idioma pelas empresas que atuam no país.

Currículo cheio de saberes pode chamar a atenção dos recrutadores no momento da triagem, mas as empresas querem mais de seus funcionários. “As competências comportamentais da equipe são fundamentais para o crescimento da empresa. Pessoas criativas, proativas e que possuem visão de negócios fazem toda a diferença para a organização”, afirma Giuliano Bortoluci, diretor de comunicação da Estagiários.com, empresa especializada no recrutamento e seleção de estagiários. “Conhecimentos e habilidades técnicas são muito importantes, mas deve-se prestar atenção em outros aspectos que os candidatos têm a oferecer”, diz.

O Brasil ainda precisa de muito investimento na educação e no conhecimento técnico dos profissionais que já atuam no mercado, mas também dos jovens que estão começando agora. “As empresas estão sentindo falta de profissionais capacitados e hoje investem cada vez mais em jovens talentos para seguirem carreira e neles despertar os valores da companhia. O objetivo é fazer com que pensem por si só a partir do conhecimento que lhes foi concedido”, diz Bortoluci. “Essa é a grande tendência dos últimos tempos”, acrescenta.

O fato é que as corporações atualmente contratam pelas competências técnicas e esperam de seus funcionários o desenvolvimento de habilidades extras e também que vistam a camisa da empresa. Além disso, a postura no trabalho também conta muito na avaliação do profissional. Há quem diga que isso é coisa do passado, algo muito comum no pensamento da chamada Geração Y – jovens poucos disciplinados e insubordinados. Porém, não é isso o que acontece. Assim como as competências comportamentais, o próprio comportamento do profissional é importante e chega a ser motivo de demissão caso este não atenda a essas exigências da empresa em que trabalha.

Fonte: www.administradores.com.br – Por Pollyanna Melo com assessoria  do site.

30/maio Empregabilidade
Postura Profissional
0 comentário
Esse post ainda não possui comentários.
Deixe um comentário

Os campos marcados com um asterisco * são de preenchimento obrigatório

Últimos posts
[E-book] Seu currículo campeão 22/05/2017 - Nenhum comentário
Você vai continuar desempregado! 13/05/2017 - Nenhum comentário
Cursos e treinamento de coaching gratuitos! 09/07/2015 - 2 comentários