Kombo Candidato

Consultores apontam motivos que dificultam a entrada dos jovens no mercado

O mercado de trabalho para os jovens recém-formados no Brasil parece estar cada vez mais concorrido e menor. Há pouco a comemorar no que diz respeito ao emprego de jovens no Brasil. O excesso de mão-de-obra de trabalhadores mais experientes e qualificados reduz as oportunidades para aqueles que deixam a universidade ou ingressam no mercado de trabalho.

Na opinião do presidente da ABRH-DF, Manoel Oliveira, o problema está na faculdade. “As faculdades, no Brasil, raramente estimulam o empreendedorismo, formando pessoas para a busca de um emprego. Muitos jovens que hoje buscam uma vaga no mercado de trabalho e não têm sucesso, precisariam ser preparados para enxergar o mundo como empreendedores”.

Qualificação

Para a presidente da ABRH-SP, Elaine Saad, a formação educacional do jovem brasileiro ainda é precária o que agrava o problema.

“Normalmente, as empresas procuram profissionais com um perfil bastante completo, que nossos jovens, em geral, ainda não têm. Apenas uma minoria consegue se formar em uma instituição sólida, que garante boa formação. Assim, para solucionarmos o desemprego crônico dos jovens, seria importante prepará-los melhor para o mercado de trabalho”, disse Elaine.

Uma possível solução para este problema seria a parceria entre as empresas e as universidades. Em Santa Catarina, há uma evolução dos jovens no mercado de trabalho, ainda que tímida especialmente proporcionada pelos programas de estágio desenvolvidos por universidades e empresas, segundo explicou o presidente da ABRH-SC, José Itajara.

Estímulo aos estudos

De acordo com a vice-presidente da ABRH-PE, Sandra Camelo, embora exista uma pressão social para que os jovens entrem para o mercado de trabalho o mais cedo possível, a conclusão do ensino médio não é mais diferencial.

“O prêmio salarial praticamente dobra a cada conclusão de nível educacional, o que demonstra que o lugar do jovem é na escola, por isso, eles deveriam ser apoiados e estimulados a estudar”.

Fonte: www.administradores.com.br – Por Luana Cristina de Lima Magalhães – InfoMoney