Kombo Candidato

Faltam profissionais no mercado digital

Não apenas a internet, mas a televisão que você encontra no elevador e o caixa eletrônico que você usa, por exemplo, fazem parte do mundo digital. Ele cresce em um ritmo acelerado, tanto que não possui profissionais suficientes para ocupar as vagas que são abertas nas empresas.

“O mundo digital sempre foi considerado só uma mídia (a internet), mas é muito mais do que isso, porque cria produtos, novas áreas de atuação, profissões e novos negócios. Ele é toda uma indústria e precisa de muitos profissionais, desde o executivo até o estagiário”, explicou o diretor do estúdio interativo Grafikonstruct, Rodrigo Teco.

O mercado digital abriu um caminho enorme para a comunicação entre as pessoas, mas agora precisa se popularizar e, para isso, são necessários profissionais preparados, que devem criar de acordo com a evolução desse mercado. “Há uma demanda absurda nas empresas que não se consegue suprir”.

OS PROFISSIONAIS


Confira abaixo as áreas de atuação no mercado digital citadas por Teco:

Desenvolvedor: Esse profissional cria a parte de tecnologia de um projeto. Ele é o mais procurado porque tem de ter um “olho no futuro”.

Criador: A função dele é o de desenhar produtos que conversem com as pessoas, seja no celular, na internet e etc.

Coordenador: Ele tem noção do desenvolvimento e do processo para chegar ao resultado. Sabe pontos específicos do projeto. São verdadeiros coaches (termo em inglês para treinador).

De acordo com Teco, pela falta de profissionais, o que acontece muito no Brasil é que aqueles que pretendem atuar na área acabam entrando cedo no mercado de trabalho. “Nem se formam e já estão empregados. Então, a responsabilidade chega antes que a experiência”.

FACULDADES


Pela falta de profissionais, não é difícil encontrar arquitetos, engenheiros, designers e publicitários nesse mercado. São pessoas apaixonadas pela tecnologia e que possuem muito conhecimento sobre o funcionamento da internet.

Mas as faculdades brasileiras já estão correndo atrás para formar profissionais especializados no mercado digital. Algumas delas oferecem cursos de mídias digitais. “Elas estão se movimentando e dando a opção no vestibular”, disse Teco, para quem esse fato já dá uma perspectiva positiva ao mercado digital no futuro. “Os cursos estão evoluindo, o que tende a fortificar essa indústria”.

Teco ainda disse que o mercado digital mal começou, e que estamos vivendo um momento histórico dele. “É uma indústria muito acelerada e isso cria necessidades do dia para a noite. Por serem novas necessidades, não há uma metodologia solidificada. As verdades não são absolutas. É um mercado que está sendo construído, não só pelo business (empresas), mas pelas pessoas, que agregam muito. É a forma mais democrática”, finalizou.

Fonte: Por Flávia Furlan Nunes – InfoMoney