Kombo Empresa

Sem crise, setor de TI deve gerar 40 mil vagas neste ano

Alguns profissionais devem sofrer menos os impactos da crise financeira mundial. Apesar do aumento do índice de desemprego, o setor de TI (tecnologia da informação) deve gerar 100 mil vagas até 2011, segundo dados da Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação).

De acordo com o diretor executivo da Brasscom, Sérgio Sgobbi, somente este ano devem ser geradas 40 mil vagas para os profissionais de TI.

“O setor de TI cresce em torno de 3% ao ano mundialmente. Porém, esse número pode ser mais expressivo na modalidade Offshore Outsourcing (prática de empresas de terceirização de seus serviços de suporte técnico em desenvolvimento ou gerenciamento de softwares), no qual a perspectiva de crescimento é de 20% ao ano até 2012″.

Onde estão as vagas?

Os estados brasileiros que mais precisam desses profissionais são os da região Sudeste (71,22%), sobretudo no estado de São Paulo. No ano passado, foi contabilizada demanda de 15.476 para a grande São Paulo e 1.785 em Araraquara. Já na cidade do Rio de Janeiro houve a procura de 3.189 especialistas em TI.

Em contrapartida, as regiões Norte e Nordeste foram as que menos necessitaram desses profissionais, com 0,12% e 2,18%, respectivamente.

Currículo

Para ter destaque em tecnologia de informação Sgobbi ressalta a necessidade de um currículo diferenciado, com certificações, conhecimentos em línguas estrangeiras e também em gestão de equipe e relacionamento interpessoal.

“O sucesso do profissional de TI hoje depende da bagagem tecnológica obtida pelos cursos técnicos e universitários, das certificações, do domínio da língua inglesa e, principalmente, da facilidade de relacionar-se. Além disso, ele precisa dar suporte em gestão de equipes, uma vez que a ascensão nessa carreira é rápida, de forma que ser capaz de liderar e trabalhar em equipe é essencial para quem almeja chegar a cargos gerenciais”.

Certificações

As grandes empresas de TI como a Microsoft, Oracle e SAP, entre outras, possuem diversos tipos de certificações bastante requisitadas no mercado.

Para conseguir uma certificação, o profissional precisa fazer um curso de especialização na plataforma escolhida e passar em um exame aplicado por uma instituição reconhecida internacionalmente. O único obstáculo para obter certificações é o custo elevado.

“O profissional de TI precisa de especialização constante. Ele não pode achar que domina tudo e precisa sempre buscar novas oportunidades, já que nessa profissão as pessoas são reféns do aprendizado mais do que em qualquer outra atividade. Se o profissional não domina uma nova tecnologia, ele não participa dos projetos da empresa e, consequentemente, fica alheio ao mercado de trabalho”, afirma Sgobbi.

A grande vantagem de ter uma certificação é o salário. Um iniciante recebe em média R$ 2,5 mil por mês.

Já uma hora de trabalho de um analista de SAP (profissional que dominam o sistema de gestão empresarial da SAP, empresa alemã, para aplicá-lo em outras instituições) pode chegar a R$ 200 (R$ 1,6 mil por dia, considerando a jornada de trabalho de oito horas).

Diferenciais

Na análise de Sgobbi, no geral, o mercado de tecnologia de informação é muito amplo e, por isso, oferece oportunidades diferenciadas na comparação com outras profissões.

“O setor de TI possibilita facilmente a carreira internacional, já que é grande a demanda por exportação de programas e serviços brasileiros”.

Outro atrativo, na opinião do diretor, são as vagas de estágios.

“Por ser um mercado em franca ascensão, faltam pessoas com as formações acadêmica e técnica requisitadas pelas empresas, de maneira que sobram vagas. Logo, as pessoas que ainda não se formaram conseguem estágios rapidamente”.

Fonte: Site Administradores. com, Por Luana Cristina de Lima Magalhães – InfoMoney

16/fev Estratégias 0 comentário
Esse post ainda não possui comentários.
Deixe um comentário

Os campos marcados com um asterisco * são de preenchimento obrigatório

Últimos posts
Calculando o custo do recrutamento e seleção 31/08/2016 - Nenhum comentário
4 motivos para não receber currículos por e-mail 21/07/2016 - Nenhum comentário
O futuro das consultorias de RH 28/06/2016 - 4 comentários