Kombo Empresa

Xi, o candidato desistiu!

Quem trabalha em Recrutamento e Seleção já passou por isto. Sejam consultores especializados, sejam analistas de seleção dentro das companhias. Enfim, dificilmente alguém não passou pela experiência de “perder” um candidato lá no final do processo, praticamente às vésperas da admissão.

Pois é, seleção é um desafio mesmo. Lançamos mão dos mais variados recursos de avaliação para conhecer o perfil do candidato. Entrevistas, testes, dinâmicas, ferramentas de assessment da última moda, referências profissionais, e por aí vai. Enfim, no “frigir dos ovos”, a finalidade de tudo isto é responder à questão: “como esta pessoa que está aqui na minha frente se comporta quando não está na minha frente?”.

E a entrevista como típico momento de venda que é, tem como finalidade apresentar o produto. Mais do que isto. É convencer, é persuadir de que aquele é o melhor produto. E claro que o vendedor só vai apresentar aquilo que tem de bom e passar uma “maquiagem” naquilo que não é tão bom assim. Uma frase melhor elaborada aqui, uma palavra mais neutra lá, e assim vai. Que jogue a primeira pedra quem nunca ouviu de um candidato o clássico “estou em busca de novos desafios…”? Que dentre outras coisas pode ser o jeito polido de dizer “to de saco cheio do meu emprego, quero sair daquela droga!”.

Enfim, avaliar um perfil é isto. É tentar tirar estas máscaras, exatamente quebrando as frases prontas e procurando os reais motivos que levam um profissional a procurar o tal de novo desafio. Mas apesar do esforço, uma das coisas que nos escapa vez ou outra é justamente a desistência de um candidato. O processo correu tudo bem; currículo excelente, candidato entusiasmado com a vaga, entrevista boa, testes melhores ainda. Enfim, tudo certo. Até o momento em que recebemos “aquele” fatídico e-mail:

“…em conversa com meu gerente, cheguei à conclusão de que não é o momento para eu sair daqui…”. Ou pior: “recebi uma contra-proposta da empresa e decidi declinar do processo…”.

Os desfechos são os mais variados. Não importa. O fato é que perdemos o candidato e o processo terá de ser reiniciado. Nem precisamos dizer o que isto causa nas pessoas envolvidas. Frustração, sentimento de traição, impotência, raiva. E muita raiva! Dizer que todos fomos “vítimas” de um candidato sem ética, sem maturidade, sem isso e sem aquilo pode até aliviar a frustração. Mas só alívio não gera mudanças. Tampouco melhorias.

Pois é, realmente não existem bolas de cristal e todos nós estamos à mercê de fatos como este. Por mais que lancemos mão de ferramentas de avaliação, todo este aparato é mera peneira; retêm somente as coisas mais “grosseiras”, muitas outras nos escapam.Tornar-se um “sênior” em seleção, dentre outras coisas, é justamente refinar esta peneira.

Realmente, acho pouco provável que um dia consigamos prever com exatidão quão vulnerável um candidato está a declinar de um processo. Mas talvez seja possível “comer algumas coisas pela borda”. Questionar, por exemplo, como foram os processos de entrada e saída do candidato nos empregos anteriores ou talvez como é o diálogo deste candidato com seu empregador atual. Talvez ele tenha uma série de queixas, porém nunca as expôs ao seu superior. E ao expô-las no suposto dia do pedido de demissão, seu chefe o acolhe e lhe dá aquele tão desejado ombro paternal. Resultado? Candidato perdido! Vai declinar do nosso processo.

Candidatos cujo histórico pessoal, familiar e social foi todo construído numa só cidade ou região talvez sejam menos suscetíveis a uma mudança. Família grande; sempre se reúnem aos finais de semana na casa dos pais ou sogros. Enfim, indicativos de que esta pessoa cultiva fortemente estes valores e tem raízes naquele local. Inicialmente, pode até aceitar a proposta de trabalhar num lugar distante, mas na primeira oportunidade…

Destaco: não existem fórmulas e isto aqui não é ciência exata. Um candidato com raízes numa cidade ou região, por exemplo, não quer dizer necessariamente que deva ser descartado. Não é isto. São meras pistas para que o entrevistador seja mais perspicaz e até mais franco na abordagem.

E quero concluir minha reflexão falando justamente sobre isto: franqueza, honestidade, humildade. Muitas vezes, falta a nós – profissionais de seleção – um pouco mais de franqueza na abordagem. Por que não colocar as cartas na mesa e dizer de forma franca e honesta ao candidato que você não pode correr o risco de perdê-lo ao final? E, portanto, se o mesmo quer um ou dois dias para pensar antes de embarcar no processo. Desta forma, é melhor que o faça.

- “A possibilidade de mudar de emprego já está bem resolvida para você?”.
– “Se você chegar ao seu gerente hoje e pedir demissão, você acha que receberá uma contra-proposta?”.
– “Você sabe que declinar de um processo ao final pode fragilizar nossa imagem no mercado; você quer um tempo para pensar antes de prosseguirmos?”
.

Franqueza, honestidade, humildade. Sair um pouco daquele trono de adivinho, onde através de perguntas sorrateiras tentamos “descobrir” o que se passa na cabeça do “pobre mortal”. Ora, sejamos claros (e humildes, conclamo!) para com os candidatos. Ainda acredito que a franqueza, a honestidade e a humildade desfazem máscaras. E fecha vagas também.


Fonte:
www.rh.com.br – Por: Paulo Roberto Teixeira Junior

01/mai Artigos
Estratégias
RH
3 comentários
  1. tranbalho na área de treinamento e seleção de minha empresa e tenho enfrentado,constantemente, a desistência de candidatos que se disponibilizam a trabalhar conosco na área comercial. Gostaria de ler algo mais preciso que me dê pistas para resolver essa situação, pois considerei o artigo um pouco inconsistente. Merecia, talvez, uma abordagem mais específica.

    Comentário by Sorahya — 7 de julho de 2009 @ 18:46
  2. “Dizer que todos fomos “vítimas” de um candidato sem ética, sem maturidade”

    Acredito que este pensamento deve ocorrer muito. Acho engraçado as exigências que fazem pra um candidato. A cartilha correta. Como se fossem robos. Um candidato que se atrasa é mal visto, mas um consultor de RH pode se atrasar ou cancelar a entrevista, agora se um candidato faz isso…

    Comentário by freeman — 8 de julho de 2009 @ 1:54
  3. É Sorahya, infelizmente isto acontece muito e podemos apenas fazer algumas ações que podem diminuir a probabilidade de alguém desistir. O que é sempre válido é investigar o real motivo de desistência dos candidatos para ver se é encontrado num denominador comum. Caso muitos estejam aceitando muitas ofertas de outras empresas, talvez seja o momento de fazer uma pesquisa salarial ou de marca, descobrir o que interfere para poder neutralizar.

    Obrigada pela colaboração e caso tenha novidades nesta área, aguardamos novo comentário!

    Comentário by Paula Galvão — 17 de julho de 2009 @ 11:04
Deixe um comentário

Os campos marcados com um asterisco * são de preenchimento obrigatório

Últimos posts
Calculando o custo do recrutamento e seleção 31/08/2016 - Nenhum comentário
4 motivos para não receber currículos por e-mail 21/07/2016 - Nenhum comentário
O futuro das consultorias de RH 28/06/2016 - 4 comentários